CWB - Curitiba

Curitiba

A primeira da classe

Por Ricardo Freire

Organizar o trânsito, encontrar uma fórmula eficiente para o transporte público, multiplicar os espaços verdes não foi o bastante. Ao tornar-se uma metrópole modelo, Curitiba aproveitou também para se lançar como uma cidade turística.

Junto com os corredores de ônibus e os parques vieram novos cartões postais, como a Ópera de Arame, o Palácio de Vidro do Jardim Botânico – e, recentemente, o Museu Oscar Niemeyer. As tradicionais cantinas de Santa Felicidade hoje são apenas um fecho folclórico para tours repletos de atrações.

Nem precisava. A qualidade urbana de Curitiba já faz da cidade um destino de viagem de primeiro time. A trabalho ou a passeio, é um prazer descobrir que existe uma grande capital brasileira que funciona tão bem.

O que fazer em Curitiba

Curitiba tem, há muitos anos, o que muitos destinos eminentemente turísticos não oferecem: um ônibus de dois andares que percorre todas as suas atrações. A Linha Turismo vai do Centro a Santa Felicidade, passando por todos os parques e museus (não perca o Museu Ferroviário, o Museu do Perfume e o Memorial Ucraniano).

À noite, tome a direção do Batel, um bairro central com inúmeros bares e restaurantes, muitos deles lado a lado na Rua Bispo Dom José (continuação da Avenida Batel).

Na primeira oportunidade que tiver, pegue o Serra do Mar Express, a mais bonita linha de trem em operação no Brasil, que vai serpenteando pela Serra do Mar até a cidade histórica de Morretes (ao chegar, aproveite para comer um autêntico barreado).

voltar