RBR - Rio Branco

Indefinido

Capital da ecologia

Os mais velhos devem se lembrar de José Maria da Silva Paranhos Júnior, o Barão do Rio Branco, cujo retrato estampava a nota de mil cruzeiros. A capital do Acre foi batizada em sua homenagem. Diplomata e Ministro das Relações Exteriores, o barão foi o responsável pela solução pacífica do conflito entre os governos brasileiro e boliviano pela posse do território que acabou anexado ao Brasil.

Fundada em 1913, Rio Branco é uma cidade bem organizada. Tornou-se mundialmente conhecida a partir da luta do líder seringalista Chico Mendes pela preservação do modo de vida extrativista, que deixou como herança uma grande consciência ecológica.

A cidade passou por uma forte revitalização nos últimos anos, com abertura de áreas verdes públicas e restauração de patrimônio histórico.

Comece pela sede do governo. O Palácio Rio Branco, construído em 1930, em estilo neoclássico, tem um acervo que conta a história da formação do Acre, as lutas dos seringueiros e a vida de Chico Mendes.

Passeie pelo Calçadão da Gameleira, à beira do rio Acre, onde a cidade nasceu. Exatamente ali, em 1882, foi fundado o primeiro seringal, dando início à ocupação da região. A gameleira já estava lá e presenciou tudo.

Com tempo, visite o Parque da Maternidade, o Mercado Velho, a Casa do Artesão, o Parque Ambiental Chico Mendes – e, sobretudo, o Museu da Borracha. Na época seca, aproveite as praias do Rio Amapá, localizadas a 10 km do Centro da cidade.